mostrar mensagem ]

Comunicados Oficiais - UNIARA (COVID-19)

Em virtude da pandemia global de COVID-19, as atividades da Universidade de Araraquara - Uniara sofreram alterações.

Clique aqui e confira todos os comunicados oficiais da Instituição.

ocultar ]

UNIARA

Ageuniara

Profissionais do comércio em Araraquara buscam empregos com mais benefícios

Por: ANA PAULA DOS SANTOS RIOS

25/04/2014

Com um importante centro de comércio popular, Araraquara perde funcionários que procuram melhor qualidade no trabalho em outras áreas.

A rua Nove de Julho, no centro de Araraquara, tem aproximadamente 2,2 km de extensão, com lojas de segmentos diversificados que empregam pessoas da cidade e também da região. Mesmo podendo aumentar os ganhos com o recebimento de comissões pelas vendas, alguns funcionários do comércio tem buscado oportunidades de trabalho em outras áreas. Esses trabalhadores buscam regalias que o comércio não oferece, como não trabalhar diretamente com o público e folgar nos sábados. Com isso, é considerada elevada a rotatividade de trabalhadores no comércio local.

À procura de tais benefícios a ex-vendedora Tamires Gomes, 20 anos, decidiu ir atrás de outro emprego e hoje trabalha como auxiliar administrativa na biblioteca de uma faculdade. Outro fator que a motivou a procurar um emprego que exigisse menos esforço físico foi ter começado a estudar. “Os horários que o comércio oferece são muito puxados para quem pretende estudar. Logo que comecei a cursar técnico em administração e trabalhar, atender clientes muitas vezes mal humorados só piora a situação de cansaço físico e mental”, diz Tamires.

Semelhante à opinião da auxiliar administrativa é da vendedora Fernanda Martins, 27 anos, que trabalha desde os 17 no comércio de Araraquara. “Sem dúvida, o pior de trabalhar em comércio é lidar com o público. Temos que ter muita paciência porque atendemos pessoas com personalidades completamente diferentes", diz Fernanda. A vendedora relata que já presenciou brigas entre vendedores e clientes e considera que "ninguém é obrigado a aguentar grosserias o tempo todo”. Pensando em mudar de vida, Fernanda pretende começar o curso técnico de enfermagem no meio do ano, para poder sair de vez do comércio.

De seu lado, a dona de casa Maria de Lourdes Silva, 46 anos, também se queixa de certos atendentes de lojas. “Várias vezes fui mal atendida nas lojas; parece que cada vez mais estão sem paciência com as pessoas, como se estivessem prestando um favor. Na verdade é o contrário, somos nós, clientes, que prestamos favor ao comprar algo”.

Para entender melhor o que acontece, o gerente de uma grande loja no centro de Araraquara, Márcio Henrique da Silva, 28 anos, explica os motivos que ocasionam o desligamento de funcionários do comércio. Um dos principais são os benefícios como plano de saúde e cesta básica que poucas lojas oferecem. “Muitas pessoas veem em outros lugares, como indústrias, oportunidades de garantir esses benefícios, além da chance de trabalharem de segunda a sexta, o que não conseguiriam no comércio”. O gerente admite que o estresse em lidar com o público também é um fator importante para a saída de cada vez mais colaboradores das lojas.

As demissões no comércio, nos três primeiros meses do ano, passaram de 87 em 2013 para 192 em 2014. O número de vagas também diminuiu. De 483 em 2013, o número caiu para apenas 191 no mesmo período de 2014.

Destaques:

Reportagens recentes:

Todas as reportagens

Reproduzir o conteúdo do site da Uniara é permitido, contanto que seja citada a fonte. Se você tiver problemas para visualizar ou encontrar informações, entre em contato conosco.
Uniara - Universidade de Araraquara / Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / CEP 14801-340 / 16 3301.7100 (Geral) / 0800 55 65 88 (Vestibular)
N /ageuniara/