202009191145

mostrar mensagem ]

AVISO DE PRIVACIDADE

A proteção dos seus dados pessoais é importante para nós. Adotamos as melhores técnicas para deixar esse site seguro. Estamos atualizando nossa política de privacidade e termos de uso do site. Em breve, ela estará aqui para você saber o que fazemos com os dados pessoais que coletamos e como protegemos suas informações.

ocultar ]

mostrar mensagem ]

Comunicados Oficiais - UNIARA (COVID-19)

Em virtude da pandemia global de COVID-19, as atividades da Universidade de Araraquara - Uniara sofreram alterações.

Clique aqui e confira todos os comunicados oficiais da Instituição.

ocultar ]

UNIARA

Ageuniara

Araraquara teve participação expressiva na Revolução de 1932

Por: DAVI MARQUES PASTRELO

28/06/2011

Pesquisas realizadas em jornais e documentos disponíveis na Biblioteca Municipal Mário de Andrade e no Museu da Rua Voluntários da Pátria,de Araraquara(SP), revelam que cerca de 528 homens alistaram-se para lutar nas mais diversas frentes e a cidade também teve grande importância na arrecadação de títulos de bônus para a causa constitucionalista, na distribuição de alimentos, armas e treinamento de tropas para a Revolução.

O destino mais comum dos araraquarenses foram a capital paulista, de onde depois seguiam para as frentes de batalha, a fronteira com Minas Gerais e o Vale do Paraíba. Outro destino comum dos araraquarenses foi São José do Rio Pardo(SP), onde lutou o 2º batalhão da cidade.

De acordo com a gerente do Museu Histórico e Pedagógico "Voluntários da Pátria", Virgínia C. Fratucci de Gobbi, há relatos de que na atual praça Pedro de Toledo haviam manifestações favoráveis aos revolucionários. Outros pontos de concentração eram a Avevida Portugal, esquina com a Rua São Bento (Rua 3) e o largo da atual prefeitura, onde haviam auto-falantes que transmitiam notícias sobre o fronte. Virgínia esclarece ainda que muitas mulheres alistaram-se para trabalhar como costureiras e enfermeiras no conflito.

Durante o conflito, seis soldados araraquarenses morreram em combate: Bento de Barros, Diógenes Muniz Barreto, Joaquim Alves, Joaquim Nunez Cabral, José Cesarini e Waldomiro Machado. Seus nomes estão numa placa de bronze na estátua em homenagem à Revolução Constitucionalista de Araraquara, atualmente localizada na Avenida Bento de Abreu, no bairro da Fonte Luminosa.

Apesar de São Paulo ter sido derrotado no conflito armado, foram convocadas novas eleições em 1933, consolidando o processo de constitucionalização do país em 1934. Outra consequência foi que o estado voltou a ser governado por paulistas. Contudo, Vargas havia derrotado o maior bolsão de resistência a seu governo.

A Revolução de 1932

A Revolução Constitucionalista de 1932 teve como origem o descontentamento de vários setores da sociedade paulista às políticas implantadas por Getúlio Vargas e o núcleo desse movimento foi a aliança entre o PRP (Partido Republicano Paulista) e o Partido Democrático, até então velhos adversários do cenário político de São Paulo. A essa união juntaram-se a classe dominante e a classe média paulista e outros setores descontentes como o exército.

A revolta eclodiu em 9 de julho de 1932, após a morte de quatro estudantes paulistas: Martins, Miragaia, Dráusio e Caramgo (M.M.D.C.).

O objetivo inicial da Frente Única Paulista era a reconquista da autonomia estadual e a realização de eleições nacionais para a Assembléia Constituinte. Posteriormente, o movimento assumiu a forma de luta armada contra as tropas federalistas de Getúlio Vargas, uma forma de forçá-lo a adotar uma nova constituição para o país.

Para o conflito, São Paulo realizou um grande esforço de guerra, as indústrias passaram a produzir armas e munições, para os soldados. Outras armas foram produzidas de forma artesanal em oficinas e casas de ferragens. Mulheres foram recrutadas para o trabalho como enfermeiras em hospitais e na produção de fardas, botas e outros artefatos para os soldados constitucionalistas.

No entanto, o estado de São Paulo estava sozinho no levante, outras rebeliões foram sufocadas no Rio Grande do Sul, Mato Grosso e Minas Gerais. No Rio Grande do Sul, o general Flores da Cunha não apoiou a Revolução, contudo houve um batalhão de cerca de 450 homens comandados pelo general Borges de Medeiros que apoiaram a Revolução paulista e utilizavam-se de “ táticas de guerrilha”, pois atacavam destacamentos que partiam do RS para reforçar as forças Getulistas na fronteira com o Paraná.

Os feitos do batalhão gaúcho foram esquecidos após a batalha de Cerro Alegre, município de Piratini (RS), onde em 20 de Setembro de 1932 foram mortos mais de 200 soldados.

Devido à falta de reconhecimento oficial desse fato por falta dos governos gaúcho e paulista, há até os dias atuais uma rivalidade entre os estados.

Dados extra-oficiais revelam que durante os três meses de conflito, as forças constitucionalistas perderam cerca de 2000 soldados, embora oficialmente no mausoléu da Revolução estejam enterrados 634 soldados. O Exército brasileiro perdeu 1.050 soldados no conflito.

Fontes pesquisadas: Jornal O Imparcial, Biblioteca Municipal Mário de Andrade, Museu da Rua Voluntários da Pátria.

Destaques:

Reportagens recentes:

Todas as reportagens

Reproduzir o conteúdo do site da Uniara é permitido, contanto que seja citada a fonte. Se você tiver problemas para visualizar ou encontrar informações, entre em contato conosco.
Uniara - Universidade de Araraquara / Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / CEP 14801-340 / 16 3301.7100 (Geral) / 0800 55 65 88 (Vestibular)
N /ageuniara/