Ageuniara

Plantão psicológico ajuda psicólogos e agrada pacientes

Por: HELIENE GEORGIA FIGUEIREDO

13/06/2005

Em Araraquara, há três meses, um grupo de onze psicólogos presta pronto atendimento à população num plantão psicológico. Destinado a qualquer pessoa que necessite de atendimento emergencial, o plantão tem sempre dois ou três profissionais disponíveis.

Geralmente quem chega ao local necessita de ajuda breve. Essa abordagem diferencia-se dos outros tratamentos pois consiste em apenas quatro sessões de cinqüenta minutos ou uma hora, sempre com o mesmo psicólogo. A partir daí, se a pessoa não estiver em condições de alta, ela é encaminhada a outros profissionais.

Os plantonistas trabalham em revezamento, de maneira que sempre haja psicólogos disponíveis para alguma eventual solicitação. O revezamento se deve ao fato do plantão não oferecer remuneração adequada para os profissionais. Todos têm outro trabalho e fazem do atendimento no plantão uma atividade de estudos e aprimoramento profissional.

“Já recebemos pessoas que aparentemente sofriam de depressão, mas após análise descobrimos que o problema era cardíaco ou de tireóide, então encaminhamos para os profissionais adequados”, relata o psicólogo e coordenador do plantão, Julio César Bernabé.

O plantão visa abrir uma porta para a população, onde ela possa buscar ajuda especializada, deixando de procurar o padre, a vizinha, a benzedeira, o pastor; pois na maioria das vezes, esse tipo de ajuda não só atrapalha como pode piorar a saúde mental do paciente. Segundo Julio Bernabé, isso é o que mais ocorre. “Já recebemos mães que o filho estava com problemas gravíssimos e que por conselho das vizinhas, ao invés de um especialista, levavam o filho para sessões de descarrego, o que piorava o quadro”.

Uma estudante de 23 anos acredita ter encontrado no plantão um lugar seguro para resolver seus problemas. “O plantão tirou a imagem que eu tinha de que psicólogos eram para loucos; em quatro sessões eu me sinto outra pessoa.”.

Outro objetivo do Plantão é o aprimoramento profissional em conjunto, uma extensão de estudos. Os psicólogos se reúnem para discutir casos e soluções, tornando o trabalho de todos enriquecedor. Eles vêem no projeto uma forma de divulgar o trabalho da categoria.

O Plantão psicológico não tem vínculos com nenhuma associação ou faculdade. Os pacientes que necessitam são encaminhados para diversas faculdades, para evitar vínculos.

A capacidade de atendimento é de 70 pessoas por semana, mas por enquanto tem atendido uma média de 30 pessoas. Das pessoas atendidas com problemas psicológicos de fato, apenas uma foi encaminhada para tratamento psicológico convencional; as demais obtiveram alta. De maneira geral, 60% dos atendidos obtém alta, 30% são encaminhados pra profissionais de outras áreas e 10% desistem do tratamento.

O Plantão pretende desenvolver outros projetos, como um trabalho específico para adolescentes dependentes químicos, visando atenuar o sofrimento psicológico a que são submetidos.

O atendimento não necessita de agendamento, ocorre de segunda a sexta-feira, das 8 às 22 horas, sem intervalos e aos sábados das 8 às 12 horas. O Plantão psicológico localiza-se na avenida Barroso, 866, no centro de Araraquara, ao lado da Santa Casa. O telefone para informações:(16) 3335-5400.

Destaques:

Reportagens recentes:

Todas as reportagens

Reproduzir o conteúdo do site da Uniara é permitido, contanto que seja citada a fonte. Se você tiver problemas para visualizar ou encontrar informações, entre em contato conosco.
Uniara - Universidade de Araraquara / Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / CEP 14801-340 / 16 3301.7100 (Geral) / 0800 55 65 88 (Vestibular)
N /ageuniara/