202009260007

mostrar mensagem ]

AVISO DE PRIVACIDADE

A proteção dos seus dados pessoais é importante para nós. Adotamos as melhores técnicas para deixar esse site seguro. Estamos atualizando nossa política de privacidade e termos de uso do site. Em breve, ela estará aqui para você saber o que fazemos com os dados pessoais que coletamos e como protegemos suas informações.

ocultar ]

mostrar mensagem ]

Comunicados Oficiais - UNIARA (COVID-19)

Em virtude da pandemia global de COVID-19, as atividades da Universidade de Araraquara - Uniara sofreram alterações.

Clique aqui e confira todos os comunicados oficiais da Instituição.

ocultar ]

UNIARA

Ageuniara

Psicólogo fala sobre o fim de relacionamento amoroso

Por: ROSICLÉIA COIMBRA GONÇALVES

19/11/2014

O fim de um relacionamento, como muitos já devem ter vivenciado, é um momento bastante difícil. É comum que a separação traga uma dor que vai além do emocional. Mas, nos dias atuais muitas pessoas, inclusive jovens, não aceitam o relacionamento e acabam provocando sua própria morte ou do ex-companheiro, tornando a situação pior.

Algumas pessoas têm dificuldade de lidar com o fim. Algumas chegam ao extremo de cometer crimes levados por emoções que não conseguem controlar. Outros, mesmo que não cheguem a tomar medidas tão drásticas, desenvolvem comportamentos obsessivos.

Isto não é incomum quando do termino de um relacionamento, seja um namoro, noivado, casamento ou outro. Dificuldades do rompimento envolvem a aceitação do outro, sentimento de rejeição. Esse assunto é abordado em telenovelas, com casais que se separam e o outro não aceito o fim da relação.

De acordo com o psicólogo, Roberto Ferreira, de Guariba(SP), um dos grandes problemas é quando um dos lados não aceita o fim do relacionamento, e se é feito de tudo para voltar, gerando a obsessão. Para ele, a questão do personagem é mais complicada por ele apresentar, além da compulsão, a agressividade sendo uma mistura perigosa.

Segundo Ferreira, quando o individuo não aceita o fim de um relacionamento, o melhor a se fazer é, se é procurado demais, é  explicar novamente a situação, nada de encontros, última conversa aplicativos, redes sociais  ou qualquer coisa que mantenha ou dê algum tipo de esperanças. 

(Publicado em 19/11/2014 - 21h27).
 

 



Destaques:

Reportagens recentes:

Todas as reportagens

Reproduzir o conteúdo do site da Uniara é permitido, contanto que seja citada a fonte. Se você tiver problemas para visualizar ou encontrar informações, entre em contato conosco.
Uniara - Universidade de Araraquara / Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / CEP 14801-340 / 16 3301.7100 (Geral) / 0800 55 65 88 (Vestibular)
N /ageuniara/