202009190501

mostrar mensagem ]

AVISO DE PRIVACIDADE

A proteção dos seus dados pessoais é importante para nós. Adotamos as melhores técnicas para deixar esse site seguro. Estamos atualizando nossa política de privacidade e termos de uso do site. Em breve, ela estará aqui para você saber o que fazemos com os dados pessoais que coletamos e como protegemos suas informações.

ocultar ]

mostrar mensagem ]

Comunicados Oficiais - UNIARA (COVID-19)

Em virtude da pandemia global de COVID-19, as atividades da Universidade de Araraquara - Uniara sofreram alterações.

Clique aqui e confira todos os comunicados oficiais da Instituição.

ocultar ]

UNIARA

Ageuniara

Educação alimentar é essencial para uma vida mais saudável

Por: AMANDA CÂNDIDO NOGUEIRA

06/11/2013

A educação alimentar é essencial para a saúde. Uma boa alimentação nos permite ter um corpo mais saudável, além de ajudar a evitar problemas futuros.

Muitas pessoas não sabem, mas dividir os alimentos em pequenos pedaços ajuda a comer menos, uma pesquisa norte-americana constatou que ao dividir os alimentos e comê-los aos poucos, você acaba trazendo mais benefícios à sua saúde. Para uma alimentação correta, comer os alimentos de acordo com a pirâmide alimentar é a melhor maneira de seguir com uma vida saudável, mas sem exagerar nas porções.

Na pirâmide os grupos básicos têm pães, cereais, massas, arroz, vegetais, frutas, leite e seus derivados e carnes em geral. Grande parte da população consome esses alimentos diariamente, mas com certo exagero na hora do consumo, sem contar com o consumo desses alimentos na hora errada. Por exemplo: os vegetais devem sempre entrar nas principais refeições, assim como carnes, ovos e feijão. Já pães e cereais devem ser consumidos no café da manhã, assim como o leite e seus derivados.

Apesar de estar em forma o estudante, de 18 anos, Anderson Nascimento confessa que não se alimenta tão bem quanto deveria. “Eu não sou do tipo de pessoa que se alimenta corretamente. Apenas almoço e janto. Meu prato geralmente tem arroz, feijão e carne, sempre e nos intervalos como macarrão instantâneo”.

Quando perguntado sobre os legumes e verduras, Anderson é sincero. “Como sim, mas não sempre. É bem difícil eu comer, uma vez ou outra sempre me dá vontade, aí sim eu como. Digamos que de 100%, eu como 10% do que deveria”, completa Nascimento.

Já a graduanda de 21 anos Maria Angélica Castellace, do curso de Publicidade e Propaganda do Centro Universitário de Araraquara (UNIARA), recentemente se reeducou e já emagreceu três quilos. “Hoje me alimento de três em três horas. Como saladas, frutas e só carne magra. Estou evitando carboidratos”, afirma Maria.

Jéssica Palácio, graduanda no curso de Jornalismo da UNIARA, tem uma história semelhante a de Maria Angélica. “Eu já comi muito errado. Hoje me reeduquei porque ganhei muito peso. Antes minha alimentação era restrita a muita gordura e carboidratos hoje eles não representam nem 1/4 do que eu como”. Priorizando alimentos mais saudáveis como saladas, Jéssica buscou fazer a substituição de alimentos gordurosos pelos mesmos, só que feitos de maneira mais saudável. “Substituí a fritura por carnes grelhadas. Eu adorava ovo frito, hoje só como ovo cozido. Aboli refrigerante da minha vida de uma vez por todas, leite eu tomo o mínimo possível, o substitui por chá”, conclui.

Transtornos alimentares

Ao se alimentar, a melhor maneira de se manter saudável é ter uma alimentação balanceada. Comer demais pode causar transtornos alimentares assim como comer pouco. Há três tipos de transtornos relacionados a estes fatores: anorexia, bulimia e vigorexia.

Os sintomas mais frequentes da anorexia são a pouca ingestão de alimentos, dietas severas, grande perda de peso causando distorção da imagem corporal. A anorexia causa na pessoa um constante sentimento de culpa ou depreciação por ter comido e isso leva a pessoa a ter insônia, irritabilidade e tristeza constante.

Já os sintomas da bulimia fazem com que a pessoa coma de forma compulsiva, escondida, e se preocupe demais com o peso. Assim como a incitação de vômitos, o uso excessivo de diuréticos e laxantes. A doença leva a pessoa a ter insônia, depressão, tristeza constante, além do sentimento de culpa.

A vigorexia é o menos conhecido entre os dois anteriores, mas ainda sim um fator preocupante. A pessoa com vigorexia tem uma preocupação exagerada com o corpo, baixa autoestima, tendência a automedicação, uso contínuo de anabolizantes, além de fazer exercícios físicos exagerados em busca de resultados imediatos.

Fonte: transalimentares.blogspot.com.br

Dietas

Muitas pessoas recorrem a dietas esperando resultados imediatos e eficazes, muitas vezes sem fazer o esforço de melhorar a alimentação e fazer exercícios físicos regulares. Em uma dieta alimentar equilibrada, o corpo precisa de vitaminas, proteínas, fibras e hidratos de carbonos, todos indispensáveis ao organismo. Gorduras, açúcares, lacticínios, carnes, grãos, ovos, frutas, arroz, feijão, vegetais, pães, peixes e massas todos necessários para conseguir toda proteína e vitamina que o corpo necessita.

Dietas ricas em proteínas podem ser prejudiciais a mulheres que já estão na menopausa, pois esse tipo de dieta perde a densidade óssea, esse período é mais favorável a osteoporose.Portanto, é necessário tomar as devidas precauções na hora da alimentação assim você mantém seu corpo saudável sempre.

Fonte: site: www.saude.ig.com.br



Destaques:

Reportagens recentes:

Todas as reportagens

Reproduzir o conteúdo do site da Uniara é permitido, contanto que seja citada a fonte. Se você tiver problemas para visualizar ou encontrar informações, entre em contato conosco.
Uniara - Universidade de Araraquara / Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / CEP 14801-340 / 16 3301.7100 (Geral) / 0800 55 65 88 (Vestibular)
N /ageuniara/