Ageuniara

Jovens brasileiros desvalorizam rock nacional

Por: DEBORA CAMARGO

01/11/2011

No Brasil existe um grande número de fãs clubes de adultos e adolescentes que expressam sua preferência por um estilo de música.

Os adeptos de músicas de rock estrangeiro têm crescido significativamente e isto é evidenciado nos vários sites e redes sociais que são usados para divulgar a vida destes ídolos.

O evento Rock ’In Rio provou que o povo brasileiro tem grande admiração por ídolos de outros países, algumas pessoas chegaram até a criticar, por meio do facebook e twitter, a presença de cantoras brasileiras cantando musicas de outro estilo no evento.

Amanda Nogueira, estudante de Jornalismo do Centro Universitário de Araraquara (UNIARA), é uma destas fás que passam o dia no celular ou no computador twittando sobre a vida de seus ídolos. Este ano a estudante criou um twitter fã, que apesar de ser recente, já conta com aproximadamente 42 seguidores. O nome do fã clube é “wearetheoceanBR”, e é dedicado a banda inglesa We Are The Ocean.

“No Brasil quando as bandas de rock começam a fazer sucesso elas mudam completamente o som e este é um dos motivos que fazem com que o jovem brasileiro dê mais crédito a música internacional”,observa Amanda.

“Um exemplo é o NX ZERO que começou a banda com um som mais pesado e agora trabalha mais com rap e pop, ou seja, eles acabam se vendendo,seguindo um padrão sem nenhuma originalidade e perdendo a identidade”, opina a estudante.

De acordo com o estudante de publicidade Carlos Eduardo Margadona, no Brasil a mídia não dá espaço para este estilo de música, só é divulgado aquilo que dá dinheiro. “É uma questão de cultura e nossa cultura em relação a isto é zero. No Brasil não há incentivo para o crescimento de bandas de rock,” enfatiza.

Ainda de acordo com ele, o Brasil tem diversas bandas de rock que são boas, como o Ratos de Porão, Sepultura, Mutantes e Cachorro Grande. ”Estas bandas são mais respeitadas fora do Brasil, principalmente na Inglaterra, Portugal e Alemanha”, salienta Margadona que já morou um mês na Europa.

Ele resalta ainda que muitas vezes os jovens brasileiros reverenciem as bandas estrangeiras, pela questão do rock não ser uma música de origem brasileira e que os brasileiros têm a mania de querer americanizar gosto e estilo. Além disso,para ele, “as bandas clássicas do rock são americanas, inglesas, australianas e alemãs e, enquanto aqui no Brasil só havia Mutantes, estes outros países tocavam rock pra valer”.

“Apesar de curtir bandas nacionais, como Mutantes e Sepultura, tenho como referência de rock de verdade Led Zeppelin”, (banda inglesa de 1969), confessa.

Para o jovem Arthur de Francischi Haddad, estudante do 2º ano de Jornalismo da Uniara,quando se fala de rock,ele pensa em música internacional: Maroon 5 (banda americana)e, Coldplay (banda inglesa).“Na minha opinião os jovens,gostam deste estilo de música porque é uma cultura diferente,é outra língua,outro estilo de fazer música e isto acaba gerando uma certa curiosidade,um certo fascínio”,argumenta Haddad.

“No período em que estive no exterior, em Brisbane (Austrália) todo mundo me perguntava se a música brasileira era salsa e merengue, eu falava que não!. Percebi que quando se falava de música brasileira os mais velhos só conheciam The Girl From Ipanema (A garota de Ipanema),] e os mais novos só conheciam os jogadores de futebol”.

"Tudo é uma questão de cultura", diz psicóloga

A psicóloga Solange Tridrico formada pela USC (Universidade Sagrado Coração), de Bauru(SP), afirma que tudo é uma questão de cultura. "No momento o que se pode observar é uma supervalorização de uma cultura de fora e uma negação da própria cultura", afirma.

“Os jovens brasileiros valorizam o que aparenta ser e expressam aquilo que está dentro deles que é a questão do estilo próprio, valores e personalidade”, analisa.

Ela argumenta que independente de valorizar ou não sua própria cultura e origem os jovens buscam nas bandas internacionais, originalidade, algo que afirme sua identidade na sociedade.



Destaques:

Reportagens recentes:

Todas as reportagens

Reproduzir o conteúdo do site da Uniara é permitido, contanto que seja citada a fonte. Se você tiver problemas para visualizar ou encontrar informações, entre em contato conosco.
Uniara - Universidade de Araraquara / Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / CEP 14801-340 / 16 3301.7100 (Geral) / 0800 55 65 88 (Vestibular)
N /ageuniara/