Ageuniara

Unesp projeta utilizar carcaça animal como adubo

Por: GIANFRANCESCO ROCHA BARIANI

15/04/2011

A Unesp (Universidade Estadual Paulista) de Jaboticabal deverá implantar neste semestre um novo projeto. Ele visa transformar a carcaça de animais mortos em adubo utilizando o método de compostagem na transformação. O projeto deve atingir outros dois campi: Araçatuba e Botucatu.

A técnica de compostagem utiliza microorganismos para a decomposição da carcaça e obtenção de um material estável, rico em nutrientes. Os riscos de contaminação do solo e do lençol freático são mínimos. Antes, o animal morto era enterrado em valas ou incinerado. O projeto ainda está em fase de implantação.

De acordo com o docente e membro da Comissão Especial de Compostagem de Carcaça, professor doutor Roberto Alves de Oliveira, o projeto tem como foco principal o destino final das carcaças de animais que morrem nos hospitais veterinários da própria Unesp. “O afastamento do animal morto é questão de saúde pública. Deve haver um controle do processo, para depois ocorrer a reutilização do material orgânico”, comentou.

Os animais mortos não utilizados serão incinerados através de um convênio entre a Unesp e a Prefeitura da cidade. Essa técnica já é aplicada no campo. Na avicultura utiliza-se desse método em animais de pequeno porte. A técnica não deixa odor no ambiente.

Oliveira ainda ressaltou que a intenção é utilizar carcaças de animais de grande porte. “Será feita uma triagem antes por um médico veterinário para saber a utilidade dos restos. Animais com doenças patogênicas não serão utilizados no projeto para não haver disseminação no ambiente”, concluiu.

Segundo o professor e biólogo João Teixeira Neto, os métodos utilizados anteriormente eram prejudiciais ao solo e ao ar. Ele considera o método de compostagem como o de melhor relação custo benefício. “Os métodos anteriores deixam o solo ácido, comprometendo a sua utilização”, disse Teixeira.

João ainda citou a utilização de ossos moídos como adubo. O método não é muito utilizado devido ao forte cheiro. O adubo orgânico é considerado o mais completo. Os adubos químicos são prejudiciais ao ambiente. “Os adubos químicos não só prejudicam o ambiente. As pessoas em contato com os produtos químicos podem ter a saúde comprometida”, explicou o biólogo.

Destaques:

Reportagens recentes:

Todas as reportagens

Reproduzir o conteúdo do site da Uniara é permitido, contanto que seja citada a fonte. Se você tiver problemas para visualizar ou encontrar informações, entre em contato conosco.
Uniara - Universidade de Araraquara / Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / CEP 14801-340 / 16 3301.7100 (Geral) / 0800 55 65 88 (Vestibular)
N /ageuniara/