mostrar mensagem ]

Comunicados Oficiais - UNIARA (COVID-19)

Em virtude da pandemia global de COVID-19, as atividades da Universidade de Araraquara - Uniara sofreram alterações.

Clique aqui e confira todos os comunicados oficiais da Instituição.

ocultar ]

UNIARA

Ageuniara

Médico adverte sobre os riscos do piercing e da tatuagem

Por: MIRIELI COUTINHO

31/08/2010

O cirurgião plástico Flávio Coelho,de Matão(SP),alertou esta semana sobre os riscos do piercing e da tatuagem.Segundo ele, se a colocação do piercing,não tiver uma boa assepsia do local, onde será colocado,por exemplo, pode causar uma infecção bacteriana.

"A transmissão de doenças vai depender muito das normas de esterilização dos instrumentos usados, do ambiente onde é feito, da higiene e de quem está fazendo o ato",obseva.

Conforme Coelho,é importante lembrar que quando o piercing for colocado no pavilhão auricular(orelha), pode ocorrer infecção grave pelo fato da cartilagem ser muito pouco vascularizada.

Segundo ele, neste tipo de infecção pode ser difícil o tratamento e quase sempre causa graves deformidades de difícil correção estética. "Já os colocados em lugares onde tem umidade e calor, como na língua e nariz, podem levar a proliferação bacteriana e, consequentemente, causar infecção, além de desgaste dos dentes",explica.

Ainda, de acordo com o médico, o material do qual o piercing é feito também pode provocar reação alérgica.Ele também faz observações para quem quer fazer uma tatuagem. "Gostaria de lembrar que fazer tatuagens precisa de uma atenção especial, além da boa assepsia da pele onde será feita e das condições de higiene do estúdio. O material deve ser descartável. O uso do mesmo material pode transmitir várias doenças graves como hepatites e, inclusive, a AIDS”,destaca.

As pessoas que possuem a vontade de se fazer uma tatuagem ou colocar piercing devem tomar cuidado.“Eu diria que está ideia, deve ser bem pensada e amadurecida, principalmente, no que diz respeito as tatuagens, pois estas quando retiradas podem deixar cicatrizes muito visíveis de péssima qualidade estética que as cicatrizes queloidianas. Já os piercings podem ser retirados deixando poucas seqüelas”, acrescenta Coelho.

Já o tatuador Lúcio Silva, comenta que a escolha de um bom estúdio ajuda a prevenir a transmissão de doenças.“Verifique se trata de um local ventilado, organizado e limpo. Questione sobre o processo de esterilização utilizado no estúdio, se o processo indicado é o uso de autoclave. Você tem todo o direito de conhecer a sala de esterilização e seus equipamentos",informa.

Ele explica que o material levado a autoclave deve ser devidamente embalado em envelopes adequados, munidos de um indicador que atesta que o material a ser utilizado foi esterilizado. "O profissional deverá abrir o envelope selado na sua frente, após mostrar-lhe o indicador de esterilização. Solicite que o tatuador descarte as agulhas ou caracteres utilizados no processo da tatuagem ou piercing, na sua frente. Verifique também se a tinta, luva e demais suprimentos, foram devidamente descartados”, orienta Silva.

Independente da imagem escolhida, não tatue por impulso, leia e pesquise bastante sobre o desenho ou tema escolhido. “Revistas especializadas, sites de tatuagem, e séries de desenhos são boas fontes de referências.Feita a tatuagem ou colocado o piercing é de extrema importância fazer a higienização do local, e fique de olho na cicatrização”, ressalta.

O matonense Marcelo Pinotti, de 22 anos,pensa em fazer tatuagem mesmo com os riscos. “Sempre gostei de desenhos, gosto de desenhar e acho muito bacana quem possui algum tipo de tatuagem. Acredito ser a arte que mais aprecio, pelo fato dos desenhos ficarem muito próximos ao real, e sem contar a qualidade que os tatuadores estão aplicando. Tenho muita vontade em fazer uma tatuagem, porém sei dos riscos que terei, e não sei como vai ser a primeira impressão que as pessoas terão de mim. Infelizmente, vivemos em uma sociedade onde as pessoas julgam pela aparência, pela primeira impressão e não o que ela é realmente, por isso ainda tenho receio, mas pretendo fazer uma tatuagem”, argumenta Pinotti.

Outro morador de Matão,Jairo Mariano,de 33 anos,assim como milhares de pessoas já possuem a arte no corpo. Ele é filho de artista plástico,admira todo e qualquer tipo de desenho e optou em fazer uma tatuagem.

“Escolhi fazer um Alien, por gostar muito de ficção científica e acreditar na vida em outros planetas.Por ter tamanho grande, optei pelas costas e,também, por ser um local mais escondido, mostrando somente quando quiser”, revela.

Houve uma mudança no que a sociedade pensa sobre o uso destes adornos, mas ainda pode acontecer de serem vítimas do preconceito.“Já aconteceu várias vezes em que eu chegava ao local com a camisa cavada e os outros percebiam que possuía uma tatuagem.Olhavam-me de maneira diferente.As pessoas comparam a gente com os presidiários, que possuem aquelas tatuagens mal feitas pelo corpo e acham que somos iguais a eles. Acho que falta muito conhecimento pela arte, precisam parar de falar o que não sabem, e ter um pouco mais de respeito pelas vontades e desejos dos outros sem julgar”, argumenta Mariano.

A atitude de tatuar o corpo ou de espalhar brincos em partes não convencionais pode até revelar uma personalidade destacada com um toque de rebeldia, determinação e jovialidade e, talvez, seja buscando isso mesmo que cada vez mais as pessoas estão aderindo. “Acho que cada um tem que ter sua vontade e coragem para decidir o que quer para sua vida, e pensar muito bem antes de fazer para não se arrepender depois”,finaliza.



Destaques:

Reportagens recentes:

Todas as reportagens

Reproduzir o conteúdo do site da Uniara é permitido, contanto que seja citada a fonte. Se você tiver problemas para visualizar ou encontrar informações, entre em contato conosco.
Uniara - Universidade de Araraquara / Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / CEP 14801-340 / 16 3301.7100 (Geral) / 0800 55 65 88 (Vestibular)
N /ageuniara/