Ageuniara

A partir de novembro, Araraquara terá seu grande irmão

Por: FELIPE TURIONI MARTINS

11/08/2010

Araraquara assistirá neste ano a uma verdadeira revolução no monitoramento das vias públicas. Até novembro, 25 câmeras de segurança serão instaladas por diversos pontos da cidade, incluindo rotatórias e espaços com grande movimentação de pedestres com o objetivo de inibir ações criminosas e fiscalizar o trânsito.

O monitoramente terá como principais funções blindar alguns corredores comerciais e monitorar as entradas e saídas da cidade, dificultando o furto de veículos. Mas além de gerar mais segurança, essa vigilância pode causar incômodo aos cidadãos, com esse verdadeiro “grande irmão” ao ar livre.

Em 1948, George Orwell escreveu “1984”, livro em que retrata uma época de vigilância constante das autoridades sobre os cidadãos, que passariam a controlar as ações dos moradores de uma ilha fictícia da Oceania, dominada por um enigmático ditador, que nas chamadas “teletelas” observava tudo e todos. Em Araraquara, essas telas estarão na nova Arena da Fonte Luminosa, onde estará localizada a central de monitoramento da cidade.

Mas para o psicólogo Oliver Prado, quando se fala em instalação de dispositivos de segurança, a inibição por parte da sociedade é temporária. “Inicialmente, a câmera em local público será percebida, mas em pouco tempo deixarão as pessoas acostumadas com elas. Em bancos, por exemplo, somos tão acostumados com a vigilância que nem nos incomodamos com a existência das câmeras”, explica.

Entre os principais motivos para esse “costume” está o que ele chama de privacidade “relativizada”. “Hoje em dia as pessoas são encontradas com mais facilidade, com a tecnologia, e também passam a publicar informações na internet com facilidade e sem encarar isso como problema. O espaço para a privacidade está modificado”.

Entretanto, ainda de acordo com Oliver, em ambientes de trabalho, os efeitos podem ser positivos, já que as conseqüências dessa vigilância são imediatas. E quanto à diminuição da criminalidade, também pode ser real. “Na maioria dos casos, crimes sob vigilância acontecem quando as pessoas estão desavisadas”. É esperar e ver.

Destaques:

Reportagens recentes:

Todas as reportagens

Reproduzir o conteúdo do site da Uniara é permitido, contanto que seja citada a fonte. Se você tiver problemas para visualizar ou encontrar informações, entre em contato conosco.
Uniara - Universidade de Araraquara / Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / CEP 14801-340 / 16 3301.7100 (Geral) / 0800 55 65 88 (Vestibular)
N /ageuniara/