Ageuniara

Ambulatório tem 600 fumantes na fila de tratamento em Jaú

Por: JACQUELINE GASPAROTTO CELESTINO

04/11/2009

Pouco mais de um ano após a inauguração, o Ambulatório Antitabagismo do Centro de Atenção Psicossocial(CAPS),de Jaú(SP), registra fila de 600 fumantes interessados em largar o vício.

Desde o ano passado, já foram feitos 200 atendimentos, que consistem em cursos que debatem as questões psicológicas e físicas do tabagismo e em medicação que procura amainar o anseio por nicotina.

De acordo com a enfermeira responsável pelo CAPS, AlecSandra Oliveira, a fila se forma porque os cursos duram quatro meses e as turmas têm no máximo dez alunos.“Essa é a metodologia indicada, para que possamos acompanhar caso a caso nossos pacientes e para que tenhamos bons resultados”,afirma.

Atualmente o Ambulatório conta com duas turmas no período diurno e duas no período noturno. As discussões são mediadas por uma enfermeira, uma psicóloga e uma assistente social.

Antes do tratamento, o interessado passa por triagem médica em que são avaliadas condições físicas e os danos que o tabaco já causou no organismo. Quando é chamado para o curso, o paciente precisa escolher o “Dia D”, em que vai largar definitivamente o cigarro.

“A partir desta data ele se compromete a não fumar mais, até para que o medicamento faça efeito”, esclarece a enfermeira AlecSandra.“O tratamento responde por 20% da cura do indivíduo. Os outros 80% vêm da determinação de cada um”, diz a psicóloga do centro, Margareth Camargo.

A falta de vontade de alguns fumantes faz que os índices de sucesso do tratamento, que coincidem com a média de organizações internacionais, sejam de 30%.“Muitos desistem no meio do tratamento ou voltam a fumar depois”, relata AlecSandra.

A lei que proíbe o fumo em locais fechados, em vigor no Estado há dois meses, contribuiu para o anseio de algumas pessoas em acabar com o vício. Para José César Cardoso, proprietário de Bar, o cerco está se fechando contra o fumante.

“Hoje a pessoa não pode fumar nem na calçada, daqui uns dias ela para de sair, então é melhor parar logo com o cigarro”,acredita.

Cardoso fumava quatro maços por dia e, há uma semana, está tentando parar.“Tenho de ter dupla determinação, tanto para conseguir largar o fumo como para trabalhar em um lugar em que há muitos fumantes”, diz.



Destaques:

Reportagens recentes:

Todas as reportagens

Reproduzir o conteúdo do site da Uniara é permitido, contanto que seja citada a fonte. Se você tiver problemas para visualizar ou encontrar informações, entre em contato conosco.
Uniara - Universidade de Araraquara / Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / CEP 14801-340 / 16 3301.7100 (Geral) / 0800 55 65 88 (Vestibular)
N /ageuniara/