Ageuniara

Câmara de Araraquara aprova alterações no Plano Diretor

Por: DANIELLE CRISTINA REAL DE AQUINO

28/10/2009

Após três semanas discutindo alterações no Plano Diretor da cidade, a Câmara Municipal de Araraquara(SP) aprovou, em 20 de outubro, o projeto original, proposto pela prefeitura.

O projeto, que foi aprovado sem emendas, permite a construção de prédios verticais em alguns pontos da cidade, que geraram muita polêmica nas duas últimas sessões da Câmara Municipal.

Para alguns vereadores, a verticalização da cidade significa um excelente crescimento para o município, já para outros, este crescimento precisa ser pensado de forma sustentável, para que a população não sofra conseqüências posteriores e as alterações precisam ser muito bem estudadas antes de qualquer aprovação.

A nova política de verticalização – termo da arquitetura que define a ocupação do espaço urbano por prédios residenciais ou comerciais – prevê a construção de prédios em locais como a Avenida Maria Antônia Camargo de Oliveira (Via Expressa); região do Vale do Sol; Vila Xavier, no entorno da Avenida Padre Anchieta, na parte baixa da Alameda Paulista, depois da Rua Francisco Vaz Filho; na Avenida Padre Francisco Salles Colturato, entre outros.

De acordo com a arquiteta e presidente do Instituto de Arquitetos do Brasil(IAB),Núcleo de Araraquara, Beatriz Aied, a construção de um projeto como este deve ser feita juntamente com arquitetos e urbanistas e contar também com a participação da população.

“Ficamos sabendo da primeira votação depois de ela ter sido feita, o projeto foi enviado à Câmara em um espaço curto de tempo, sem consultar a população. Dizer se vai ser bom ou ruim para a cidade é difícil, pois não participamos dos estudos de impacto realizados. A cidade tem muito espaço para construção com infra-estrutura sem a necessidade de verticalizar e estudos são essenciais para que possamos saber as reais necessidades da população e dos possíveis investidores”, completou Beatriz.

Uma das grandes preocupações dos urbanistas é a ocupação de áreas de preservação permanente. Segundo a doutora em estruturas ambientais urbanas e ex-secretária de Desenvolvimento Urbano de Araraquara, Luciana Gonçalves, a impermeabilização de algumas áreas pode comprometer a captação de água no futuro, já que existe a previsão de construção de seis mil casas, referente ao programa de inclusão social do Governo Federal “Minha Casa, Minha Vida” em uma área que permitia, de acordo com a antigo Plano Diretor, a construção de ecovilas, garantindo a baixa densidade de impermeabilização.

“A construção em áreas de preservação ambiental pode ocasionar a impermeabilização de áreas que, futuramente, comprometem a captação de água da cidade, prejudicando o abastecimento de 40% da população”, salientou Luciana lembrando que o projeto do Plano Diretor foi construído juntamente com a população e alterações também precisam ser feitas juntamente com a sociedade.

A atual administração defende a medida como importante para que se possa forçar a ocupação de vazios urbanos na cidade, que chegam a responder por aproximadamente 40% da área urbana de Araraquara. Alguns especialistas defendem a ocupação, pois esses vazios geram altas contas para os cidadãos devido à necessidade de se levar serviços de necessidades básicas como asfalto, água, esgotos para áreas cada vez mais distantes.



Destaques:

Reportagens recentes:

Todas as reportagens

Reproduzir o conteúdo do site da Uniara é permitido, contanto que seja citada a fonte. Se você tiver problemas para visualizar ou encontrar informações, entre em contato conosco.
Uniara - Universidade de Araraquara / Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / CEP 14801-340 / 16 3301.7100 (Geral) / 0800 55 65 88 (Vestibular)
N /ageuniara/