mostrar mensagem ]

Comunicados Oficiais - UNIARA (COVID-19)

Em virtude da pandemia global de COVID-19, as atividades da Universidade de Araraquara - Uniara sofreram alterações.

Clique aqui e confira todos os comunicados oficiais da Instituição.

ocultar ]

UNIARA

Ageuniara

Brasil é um dos países que mais investem em software livre

Por: EDUARDO SOTTO MAYOR DA SILVA

10/09/2009

Softwares livres são programas de computador que permitem a qualquer pessoa copiá-los, usá-los, modificá-los e distribuí-los, seja na forma original ou com modificações feitas pelo próprio usuário. A liberdade de modificar e redistribuir esses programas independe deles serem ou não gratuitos.

Isso é possível graças aos códigos dos programas que não são secretos, ao contrário do que acontece com os softwares proprietários. Essas modificações permitem, por exemplo, que um usuário, empresa ou o próprio Governo estabeleça alterações voltadas à necessidade específica de cada serviço.

Mas se os softwares livres dão essa liberdade aos seus usuários e tem um custo bem mais baixo do que o software proprietário, por que encontram tanta resistência para serem utilizados pela maioria da população?

Segundo a universitária Ana Maria Ortigosa, 18 anos, as pessoas não usam software livre por uma questão de comodidade e cultura, já que é difícil encontrar computadores à venda que estejam programados com softwares livres. “As pessoas não se preocupam com o preço, mesmo porque foram alfabetizadas digitalmente apenas conhecendo softwares proprietários”.

Na contramão da população o Governo Federal Brasileiro está entre os que mais investem em software livre no mundo. Estimativas apontam que, desde 2003, quando foi implantado o software livre em órgãos públicos, os cofres brasileiros já economizaram cerca de R$ 370 milhões. Os campos mais visíveis de implantação do software livre no Brasil são a educação e a inclusão digital.

Muitas empresas públicas, como a Caixa Econômica Federal, os Correios, dentre outras, já utilizam esses softwares. Marcos Mazoni, coordenador do Comitê de Implementação de Software Livre do Governo Federal, afirma que a economia do País com a utilização desses programas computacionais mostra resultados positivos, que não seriam notados se softwares proprietários fossem utilizados.

Diante do crescimento dos softwares livres no País, Marcos Mazoni ressalta que esses programas não envolvem apenas tecnologia, mas uma cultura diferenciada de aquisição e troca de informações sobre as novidades computacionais.

O SUS (Sistema Único de Saúde) também trabalha com softwares livres. Isso ocorre desde 2003. O Diretor do Departamento de Informática do SUS, Luis Gustavo Loyola, explica que o Sistema ainda usa muitos softwares proprietários, ou seja, programas desenvolvidos por empresas que cobram licenças pela utilização e não permitem qualquer modificação.

No entanto, até mesmo por ser uma política incentivada pelo Governo Federal, Luis Gustavo comenta que o SUS está intensificando a cada ano o desenvolvimento de ferramentas livres. Segundo ele, esse desenvolvimento livre diminui os custos e agiliza a aplicação de softwares em Estados e municípios.

É tamanha a importância que o Governo Federal dá a softwares livres que em junho o Presidente Luis Inácio Lula da Silva visitou o 10º Fórum Internacional de Software Livre, que aconteceu em Porto Alegre. A visita de Lula teve um ingrediente a mais, além da importância que a presença de um Presidente significa para qualquer evento. O Fórum de Porto Alegre foi a primeira vez que o Presidente de um país visitou uma feira de Software Livre.

Em seu discurso no evento, o Presidente Lula defendeu ideias de inovação e liberdade e afirmou que o software livre é uma oportunidade para as pessoas criarem novas tecnologias. O Presidente destacou a importância da implantação e do uso desses softwares no Brasil.

O Fórum de Software Livre teve como tema deste ano a liberdade na Internet. Trata-se de um protesto contra o projeto de lei do Senador Eduardo Azeredo, do PSDB de Minas Gerais, que prevê a vigilância da Internet. A principal polêmica do projeto está no artigo 285-B, que criminaliza a ação de compartilhar arquivos pela Internet. A pena para esse crime seria de reclusão de um a três anos, além de multa. Lula se disse contrário à proposição de Azeredo, afirmando que, em seu governo, é proibido proibir.

Destaques:

Reportagens recentes:

Todas as reportagens

Reproduzir o conteúdo do site da Uniara é permitido, contanto que seja citada a fonte. Se você tiver problemas para visualizar ou encontrar informações, entre em contato conosco.
Uniara - Universidade de Araraquara / Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / CEP 14801-340 / 16 3301.7100 (Geral) / 0800 55 65 88 (Vestibular)
N /ageuniara/