202009280814

mostrar mensagem ]

AVISO DE PRIVACIDADE

A proteção dos seus dados pessoais é importante para nós. Adotamos as melhores técnicas para deixar esse site seguro. Estamos atualizando nossa política de privacidade e termos de uso do site. Em breve, ela estará aqui para você saber o que fazemos com os dados pessoais que coletamos e como protegemos suas informações.

ocultar ]

mostrar mensagem ]

Comunicados Oficiais - UNIARA (COVID-19)

Em virtude da pandemia global de COVID-19, as atividades da Universidade de Araraquara - Uniara sofreram alterações.

Clique aqui e confira todos os comunicados oficiais da Instituição.

ocultar ]

UNIARA

Ageuniara

Professor da Unesp defende programas para preservação

Por: THATIANY DE OLIVEIRA MARIANO

01/03/2007

A poluição atmosférica é uma das maiores preocupações de biólogos e cientistas de todo o planeta.De acordo, com o professor titular da Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, da Universidade Estadual Paulista (Unesp) de Jaboticabal(SP),Sérgio Valiengo,a melhor forma seria desenvolver programas de educação ambiental para todos os seguimentos da sociedade.

Outra iniciativa seria a criação de cursos, manuais, filmes educativos que demonstrem a importância das medidas mitigadoras do aquecimento global.

De acordo com ele, a importância da manutenção das florestas e dos reflorestamentos garante a biodiversidade no planeta e a sobrevivência do ser humano."O homem depende da floresta, pois esta fornece benefícios diretos e indiretos. Os diretos seriam a madeira, alimentos (frutas, entre outros), remédios, látex, resinas e carvão",explica.

E os indiretos, conforme Valiengo, são os benefícios ambientais: a conservação do solo (as raízes das árvores agregam o solo, evitando a erosão), ciclagem de nutrientes e o ciclo da agua."Mas é a floresta e a vegetação que promovem a máxima infiltração da água da chuva e que esta abastecendo o aqüífero subterrâneo, nossa caixa d’água mais preciosa",observa o professor.

Para Valiengo, a melhor forma seria proibir no centro das cidades grandes o uso de veículos movidos a combustíveis derivados do petróleo, tendo o uso de alternativas de energia não poluidora (solar, eólica, hidrogênio), álcool da cana, entre outros. "Fazer o uso da coleta seletiva, reciclagem, proibir queimadas de culturas agrícolas e das florestas", completa.

Segundo ele, o aquecimento global já começou afetar as áreas da agricultura."Em 2006, no estado de São Paulo, a seca que ocorreu de julho a setembro prejudicou culturas de laranja, entre outras, e de eucalipto, provocando a morte da copas de árvores”, comenta.

Nas regiões tropicais, as temperaturas já estão altíssimas e já estão no limite de tolerância das plantas e dos animais.

De acordo com Valiengo, a elevação da temperatura provocará a extinção de espécies de animais e vegetais."Portanto para produzir alimentos nos próximos 60 anos, será necessário criar variedades de plantas agrícolas e florestas resistentes às elevadas temperaturas",finaliza.



Destaques:

Reportagens recentes:

Todas as reportagens

Reproduzir o conteúdo do site da Uniara é permitido, contanto que seja citada a fonte. Se você tiver problemas para visualizar ou encontrar informações, entre em contato conosco.
Uniara - Universidade de Araraquara / Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / CEP 14801-340 / 16 3301.7100 (Geral) / 0800 55 65 88 (Vestibular)
N /ageuniara/