Ageuniara

Bolsa Transporte Mulher não têm adesão esperada em Matão

Por: DANILO VALTER CIVOLANI

13/09/2006

Lançado em 8 de março, dia internacional da mulher, o projeto Bolsa Transporte Mulher completa seis meses com aproximadamente 800 mulheres beneficiadas, número abaixo do esperado. O projeto garante o direito a meia passagem no transporte coletivo de Matão, somente a mulheres cadastradas em projetos sociais.

Promessa de campanha do então candidato Adauto Scardoelli (PT), o projeto saiu do papel com sua eleição. A meta inicial era atender 2.500 mulheres que já eram cadastradas em outros projetos sociais da Prefeitura, como o Bolsa Família, Vale Gás e algumas creches participantes, onde as mães mantinham seus filhos matriculados.

Para Hélio Prandi, diretor do Departamento de Saúde e Bem Estar Social da Prefeitura, a baixa procura até hoje é uma surpresa mas não preocupa, já que tudo funciona na normalidade. “A princípio ficamos surpresos, pois todo o processo de cadastramento foi divulgado. A satisfação do usuário passa por depoimentos pela cidade e até hoje não tivemos reclamações desde o momento em que a pessoa vai se cadastrar e carregar o cartão até o transporte final, sem incidentes”, afirma.

Prandi diz que há um acordo entre o Governo Federal e a Viação Paraty, que opera o transporte coletivo na cidade. “O governo federal forneceu à Viação Paraty uma listagem com todas as mulheres inscritas nos projetos Bolsa Família e Vale Gás no município de Matão. Através desta listagem a empresa enviou carta a 2.570 mulheres solicitando o comparecimento para o cadastro e confecção do cartão eletrônico. Somente por volta de 800 mulheres participaram deste processo e hoje se beneficiam da meia passagem", informa Prandi. A Viação Paraty, pela sua assessoria, confirmou os números da Prefeitura.

A Prefeitura estuda aumentar o beneficio a mães que mantenham seus filhos em outras creches da cidade. Hoje somente mães da creche do Bairro Paraíso são cadastradas no projeto. “Pretendemos expandir a todas as creches para aumentarmos a procura”, afirma Prandi.

Aljamar de Lazari, chefe do Departamento Pessoal da Prefeitura, explica qual procedimento mulheres interessadas em se cadastrar devam tomar. “É simples e prático. A pessoa comparece na empresa munida da carta de aviso e no mesmo momento é confeccionado o cartão de recarga, mediante o cadastro. Posteriormente, é só adquirir os créditos em forma de passagens. Ela compra um certo valor em dinheiro e recebe o dobro. Por exemplo, adquire dez reais em passagem e seu crédito dobra. É importante lembrar que a Prefeitura é quem arca com esse valor a mais”.

A passagem do transporte coletivo em Matão custa R$ 1,80.

A vendedora ambulante Maria Ester Donatri participa do projeto e economiza um dinheiro importante no final do mês. “No meu caso chego a economizar em média quarenta e cinco a cinqüenta reais por mês. Utilizo o ônibus para me locomover pelos bairros visitando clientes, vendendo roupa de casa em casa”, diz.

Seu marido Edvaldo Donatri aprova o projeto e confia na segurança do transporte coletivo. “Além da economia que podemos fazer, os ônibus são novos e confortáveis, fico tranqüilo com minha esposa na rua”, finaliza.

Destaques:

Reportagens recentes:

Todas as reportagens

Reproduzir o conteúdo do site da Uniara é permitido, contanto que seja citada a fonte. Se você tiver problemas para visualizar ou encontrar informações, entre em contato conosco.
Uniara - Universidade de Araraquara / Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / CEP 14801-340 / 16 3301.7100 (Geral) / 0800 55 65 88 (Vestibular)
N /ageuniara/