Ageuniara

Igreja é referência histórica em Boa Esperança do Sul

Por: MARIA CECILIA GAMBA ILHO SENHORAES

14/06/2006

A igreja Matriz de São Sebastião é uma importante referência histórica em Boa Esperança do Sul(SP).Localizada no centro da cidade foi através dela que o município surgiu. Antes de ser igreja, era conhecida como capela de São Sebastião de Boa Esperança do Sul.

Uma lei aprovada pela Assembléia Legislativa Provincial de 16 de março de 1880, elevou a capela à categoria de Freguesia.Posteriormente, em 20 de setembro de 1887, Dom Lino Deodato Rodrigues de Carvalho,bispo diocesano de São Paulo,concedeu à Freguesia de São Sebastião de Boa Esperança do Sul a dignidade de paróquia, confirmando, o santo São Sebastião, como seu padroeiro.

Desde sua origem, já passaram 26 padres pela paróquia.Um deles, o padre Arlindo José Zanotto, que comandou a igreja de 1955 à 1958,ficou conhecido por ter deixado, segundo os moradores, uma maldição no Município.

Segundo o atual padre da Matriz, José Alfeu Pereira,isso pode não passar apenas de lenda, crença e superstições.

Já para Maria Cristina Roque Felix, antiga moradora da cidade e presidente da Cúria Nossa Senhora do Rosário,"trata-se apenas de um boato promovido pela sociedade local, provocado por uma rincha política”, diz ela que também é secretária do Conselho Pastoral Paroquial(CPP)e Coordenadora Geral da Matriz.

Um dos fatos marcantes de sua história aconteceu em 1903,quando ocorreu um incêndio, na até então capela de São Sebastião, e que comoveu toda a população.“Superou-se esse incêndio com o auxilio dos moradores.Independente de religião todos ajudaram", conta o padre Alfeu Pereira.

Com todo seu tempo de existência,a igreja Matriz já passou por inúmeras reformas e restaurações.

Lucila Rosim da Silva,de 83 anos,por exemplo, é sua mais antiga frequentadora.Começou a trabalhar na paróquia quando tinha 10 anos e nunca abandonou o Apostolado da Oração que participa até hoje.

Ela também é agente coletora da Pastoral do Dízimo e exerce o Ministério da Distribuição da Comunhão Eucarística e Visitação aos Enfermos. Foi catequista por muito tempo e ainda canta no coral da igreja.

“Em toda essa caminhada, recordo-me de muitas reformas e fico triste em ver que muitos parócos que passaram por esta cidade não tiveram muito cuidado com um patrimônio tão precioso como esse”,diz.

Na década de 50, havia em Boa Esperança do Sul,os chamados “terrenos poureiros” patrimônio doado à paróquia de São Sebastião.

Para se obter um terreno, era preciso fazer uma espécie de resgate com a paróquia e somente assim era possível ter sua posse definitiva.

“Toda a terra de Boa Esperança foi vendida para a igreja e quando se comprava um terreno se pagava para a mesma”,informa Maria Cristina.

Cemitério

Moradores antigos da cidade, insistem em lembrar do possível cemitério que existiu no local onde hoje se encontra a igreja.

Porém, de acordo com o padre Alfeu Pereira, “existiu sim um cemitério, mas não no local onde está a igreja. O cemitério que foi o primeiro da cidade localizava-se num quarteirão próximo da igreja”, completa ele.

Na opinião do padre Alfeu Pereira, a igreja de Boa Esperança do Sul é uma referência para seus moradores e jamais perderá sua força.

Segundo ele, percebe-se esta força, através das várias comunidades já conquistadas, como Rede do Câncer, Alcóolicos Anônimos, Pastoral da Criança, Pastoral da Saúde, Rádio Comunitária, Associação à famílias carentes entre outras.

As famílias católicas de Boa Esperança do Sul com seus parócos imprimiram a imagem e o rosto de Cristo na história e na caminhada da igreja Matriz de São Sebastião,que até hoje é orgulho de seus moradores.



Destaques:

Reportagens recentes:

Todas as reportagens

Reproduzir o conteúdo do site da Uniara é permitido, contanto que seja citada a fonte. Se você tiver problemas para visualizar ou encontrar informações, entre em contato conosco.
Uniara - Universidade de Araraquara / Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / CEP 14801-340 / 16 3301.7100 (Geral) / 0800 55 65 88 (Vestibular)
N /ageuniara/