mostrar mensagem ]

Comunicados Oficiais - UNIARA (COVID-19)

Em virtude da pandemia global de COVID-19, as atividades da Universidade de Araraquara - Uniara sofreram alterações.

Clique aqui e confira todos os comunicados oficiais da Instituição.

ocultar ]

UNIARA

Ageuniara

Estatística aponta aumento da violência familiar

Por: AMAURI ALEXANDRE ALVES

04/04/2006

A violência familiar cresce a cada dia. Estatísticas comprovam que durante o ano de 2004 foram elaborados 2003 boletins de ocorrência enquanto no ano de 2005 foram registrados 2519 casos de conflitos familiares.

Segundo a Delegada de Policia de Defesa da Mulher de Araraquara, Renata Maria Fleury Cusinato, na cidade são atendidos cerca de dois mil casos durante o ano, o que equivaleria à média 30 a 40 casos ao dia. Dentro dessa realidade as mulheres e as crianças se tornam as maiores vitimas.

Destaca-se que esse conflito se dá em decorrência da desestrutura socio-econômica e demais fatores, tais como alcoolismo, desentendimento do casal, pais e filhos, parentes, divórcio, desencadeando, assim, agressão física, maus tratos, ameaças de morte e outros tipos de violência.

A maior incidência, aborda ainda a Delegada, verifica-se na classe media-baixa, embora na alta sociedade tais fatos também ocorram, porém com menor freqüência. Na maioria das vezes, após o registro dos fatos, é elaborado um processo criminal, posteriormente encaminhado à Justiça para julgamento e eventual punição do autor.

Nos crimes de menor potencial ofensivo enquadrados na Lei 9099/95, o processo depende da representação da vítima. Em muitos casos a vítima, após o registro da ocorrência decide “dar uma chance”, não representa contra o autor do crime e solicita que seja chamado na Delegacia para “um susto”. Nesses casos, as partes envolvidas são intimadas para encaminhamento, orientação e aconselhamento numa tentativa de solução do conflito familiar.

Relata a delegada que considera gratificante o fato de conseguir reestruturar uma família, encaminhando algumas vezes o autor do delito para um grupo de apoio a alcoólatras ou para tratamento psicológico. Quando após algum tempo a vítima retorna apenas para informar que não existe mais conflito na família, a policial se sente gratificada.

A delegada Renata Fleury conta como um caso de sucesso das orientações que passa aos envolvidos em conflitos familiares o de um chefe de família que, quando bebia, extrapolava na violência doméstica e amedrontava a mulher e os filhos. Fora dessas ocasiões era descrito como uma pessoa afável e responsável. Numa dessas situações os vizinhos tiveram de intervir e chamaram a polícia, temendo que o pior pudesse acontecer com a família, dada a violência das discussões.

Todos os membros da família foram apresentados à Delegacia de Polícia. O chefe da família foi encaminhado para um grupo de apoio a dependentes de álcool onde, após tratamento, conseguiu deixar de beber. Perdoado pela família, passou a conviver em casa num clima mais humano e amoroso.

Segundo Ricardo Antonio Leite, diretor de serviços da Vara da Família e das Sucessões da Comarca de Araraquara, existem muitos casos em pendência do ano de 2004 e 2005. Cada tipo de processo recebe uma sentença, porém somente a ação de alimentos é punida com sentença condenatória.

Os dados relacionados a famílias que vivem situações de conflito e que esperam por decisão judicial totalizam 732 casos de separação no ano de 2004 e 1038 no ano de 2005. Os divórcios foram 362 no ano de 2004 e 475 no ano de 2005. Os pedidos de pensão alimentícia, revisional, exoneração e execução são 1.777 no ano de 2004 e 1.038 durante o ano de 2005. Tais casos levam seis meses para serem resolvidos e neste prazo se o indiciado não pagar a pensão devida, a pena é de seis meses de prisão.

Os casos de investigação de paternidade somam 317 em 2004 e 129 no ano de 2005. O total de ações que versam sobre guarda de filhos (modificação/ alteração), no ano de 2004 chegou a 199 e no ano de 2005 a 191. Regulamentação de visitas judiciais aos filhos somam 79 casos em 2004 e 96 no ano de 2005. As interdições foram 156 em 2004 e 143 em 2005. Curatela foram 25 em 2004 e 26 em 2005. Tutela 27 no ano de 2004 e 13 no ano de 2005.

Os casos referentes a reconhecimento de união estável chegaram a 224 no ano de 2004 e a 272 no ano de 2005. As ações cautelares diversas como bens e imóveis de fácil comércio e divisões foram 55 no ano de 2004 e 97 no ano de 2005. As separação de corpos somam 80 no ano de 2004 e 157 no ano de 2005.

Destaques:

Reportagens recentes:

Todas as reportagens

Reproduzir o conteúdo do site da Uniara é permitido, contanto que seja citada a fonte. Se você tiver problemas para visualizar ou encontrar informações, entre em contato conosco.
Uniara - Universidade de Araraquara / Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / CEP 14801-340 / 16 3301.7100 (Geral) / 0800 55 65 88 (Vestibular)
N /ageuniara/