202009191158

mostrar mensagem ]

AVISO DE PRIVACIDADE

A proteção dos seus dados pessoais é importante para nós. Adotamos as melhores técnicas para deixar esse site seguro. Estamos atualizando nossa política de privacidade e termos de uso do site. Em breve, ela estará aqui para você saber o que fazemos com os dados pessoais que coletamos e como protegemos suas informações.

ocultar ]

mostrar mensagem ]

Comunicados Oficiais - UNIARA (COVID-19)

Em virtude da pandemia global de COVID-19, as atividades da Universidade de Araraquara - Uniara sofreram alterações.

Clique aqui e confira todos os comunicados oficiais da Instituição.

ocultar ]

UNIARA

Ageuniara

Para médico anorexia é percepção distorcida do corpo

Por: MARIANA TEIXEIRA LORETO

30/03/2005

A anorexia é uma percepção distorcida quanto ao próprio corpo, que leva a pessoa a sentir-se como "gorda", mesmo após perder muito peso. A informação é do médico, Dr.Paulo Cavareti, de Araraquara (SP), especialista no assunto.

Segundo ele, a anorexia atinge com maior freqüência as mulheres. Cerca de 90% dos casos envolvem a faixa etária de 14 a 18 anos. "Este transtorno não deve ser confundido com frescura, vaidade excessiva ou loucura. É uma doença que surge sem culpa do portador", informa.

O médico explica a doença deve ser tratada por profissional especializado nesse assunto, médico ou psicólogo, e o paciente precisa também contar com o apoio de familiares e amigos.

Segundo Dr. Paulo, a anorexia nada mais é do que a falta de apetite. "Na realidade ocorre uma negação consciente para se alimentar e com o tempo a falta de fome se concretiza. Isto acontece principalmente em meninas que aspiram trabalhar em atividades que privilegiam e enfatizam o estado de magreza do corpo, ou então ocorre por brincadeiras que existem quando crianças, ou seja, apelidos maldosos", explica.

A partir disso que se inicia uma relação doentia com a comida, tornando-se um ciclo vicioso. "Não devemos esquecer que há um limite entre as preocupações com a beleza e a distorção da auto-imagem. Isso tudo é agravado porque a nossa sociedade tem uma percepção anormal sobre o ideal de beleza da mulher", enfatiza.

Em Araraquara(SP) três pessoas, com anorexia, foram entrevistadas pela reportagem da Ageuniara: L.P. 18 anos, T.N. 16 anos e M.M. 16 anos, vitimas dessa síndrome.

L.P. que faz parte de uma agência de modelos teve começo de anorexia e conseguiu se tratar com ajuda de um médico e da família. "Precisava emagrecer de qualquer jeito. Queria perder muito peso e comecei a deixar de comer e me acostumei. De repente, percebi que não sentia mais fome", relata.

No caso de T.N. os amigos a chamavam de apelidos que a deixavam triste."Parei de comer para tentar emagrecer e então viciei nisso; emagreci bastante, mas sempre me achava gorda", lembra. Atualmente faz tratamento com médicos e tem auxilio de uma psicóloga.

Já M.M. não se sente à vontade para falar do problema. "Os homens preferem as [mulheres] com corpo de violão", diz.

O país tomou contato maior com o problema, que passou a ser enfatizado pela imprensa, a partir do reality show Big Brother Brasil (BBB), em que uma das participantes apresentava esses sintomas.



Destaques:

Reportagens recentes:

Todas as reportagens

Reproduzir o conteúdo do site da Uniara é permitido, contanto que seja citada a fonte. Se você tiver problemas para visualizar ou encontrar informações, entre em contato conosco.
Uniara - Universidade de Araraquara / Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / CEP 14801-340 / 16 3301.7100 (Geral) / 0800 55 65 88 (Vestibular)
N /ageuniara/