Ageuniara

Mulheres precisam de sede para a produção de sabão caseiro

Por: LIVIA RODRIGUES

23/03/2005

Um grupo de 12 moradoras do bairro Jardim Gonzaga de São Carlos(SP), que fabrica sabão caseiro para obter uma renda extra, está com dificuldades para confeccionar o produto.

Sem um espaço adequado para se reunirem elas fabricam o sabão na própria casa. A coordenadora do projeto, no bairro do Gonzaga, Geralda Fabiana Oliveira, afirma que a matéria-prima é escassa para fabricar o sabão, o que gera um problema. "Precisamos que mais pessoas doem óleo para nós, assim conseguiremos fabricar um número maior de embalagens de sabão”, relata Geralda Fabiana.

De acordo com o padre Luis Cechinato, que é missionário da paróquia de São José Operário, há três opções de imóveis para serem adquiridos, o valor deles giram em torno de R$ 10 mil a R$ 15 mil, mas até o momento o dinheiro não é suficiente para comprar o salão que funcionaria de sede para o grupo do sabão. “Quero também resolver o problema da escritura do imóvel, pois se ele não estiver regularizado, muitas pessoas que poderiam nos ajudar acabam não contribuindo”, diz o padre.

Ele ressalta ainda que o dinheiro obtido até o momento é fruto de doações e foi conseguido através dos esforços da comunidade. “A aquisição deste salão vai contribuir muito para toda a comunidade, pois além do trabalho do sabão, poderão ser desenvolvidos outros projetos no local, que já estão elaborados”, completa Cechinato.

O projeto existe há dois anos e meio e produz cerca de 500 embalagens de sabão por mês. Cada embalagem, que é vendida a R$ 2,00 , tem quatro pedaços de sabão. No final de cada mês as 12 mulheres juntas conseguem obter cerca de R$ 1 mil e esse valor é dividido de acordo com a produção de cada uma.

"Eu já fazia parte da igreja e fui convidada para entrar no grupo de sabão, produzo em média 60 embalagens por mês e isto é muito bom, pois ocupo meu tempo livre", afirma Maria José da Silva, que participa do projeto desde o início.

O grupo faz parte de uma iniciativa da Pastoral São Judas Tadeu. São as pessoas desta paróquia que reúnem-se mensalmente com as 12 participantes do projeto, recolhem o sabão e vendem para a comunidade. Elas também recolhem todo o óleo que é doado por restaurantes e pela população em geral e os encaminha para as mulheres do Gonzaga.

"Tenho muito a agradecer as pessoas da São Judas Tadeu, pois elas fazem muito por nós e não cobram nada por isso", relata Geralda Fabiana.

Além do aspecto social, o projeto também se preocupa muito com o meio ambiente. A coordenadora ressalta que os próprios moradores do bairro, doam o óleo utilizado na fritura de alimentos. Como o bairro é carente muitas delas trocam o óleo pelo sabão pronto.

“Para que jogar o óleo na pia? Ele prejudica todo o encanamento. Também tem pessoas que jogam em água limpa. É importante dizer que um litro de óleo contamina mil litros de água, então para não poluir o meio ambiente é melhor doar este óleo para nós”, conclui Geralda Fabiana.

Para uma receita de sabão são necessários quatro litros de óleo, um quilo de soda cáustica e dois litros de água. Para os que quiserem doar o óleo para a confecção do sabão ou adquirí-lo basta ligar para os telefones (16) 3375-7061 ou 3375-3839.



Destaques:

Reportagens recentes:

Todas as reportagens

Reproduzir o conteúdo do site da Uniara é permitido, contanto que seja citada a fonte. Se você tiver problemas para visualizar ou encontrar informações, entre em contato conosco.
Uniara - Universidade de Araraquara / Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / CEP 14801-340 / 16 3301.7100 (Geral) / 0800 55 65 88 (Vestibular)
N /ageuniara/