Notícias

II Simpósio Internacional de Química Medicinal e Medicina Regenerativa da Uniara abordou temas como pesquisa científica, complexos de metal em medicina e matrizes biopoliméricas

Publicado em: 24/11/2017

O Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia em Medicina Regenerativa e Química Medicinal - PPGB-MRQM da Universidade de Araraquara – Uniara promoveu, até esta sexta-feira, dia 24 de novembro, o “II Simpósio Internacional de Química Medicinal e Medicina Regenerativa”. O evento, que contou com renomados palestrantes nacionais e internacionais.

Um dos organizadores do encontro, André Capaldo Amaral, afirmou que o simpósio superou as expectativas. “No primeiro evento, já tivemos um resultado muito positivo e, nesta edição, nossa meta era trazer novamente pesquisadores de todo o mundo para que nos apresentassem suas linhas de pesquisa e inovações, e também nos atualizassem sobre pesquisas da Uniara, dentro dessa área de fronteira, que é a Biotecnologia. As palestras foram maravilhosas, tivemos pesquisadores de todo o Brasil e três internacionais, além de dois minicursos satélites. Com isso, conseguimos trazer para nossos alunos de pós-graduação e graduação o que realmente está acontecendo no mundo em relação à biotecnologia, à química medicinal e à medicina regenerativa e ao empreendedorismo na área biotecnológica”, relatou.

“A Medicina Regenerativa e a Química Medicinal são uma mudança drástica na maneira como as doenças são tratadas, trazendo um resultado muito satisfatório que, certamente, vai melhorar muito a expectativa e a qualidade de vida das pessoas. Poder ter na Uniara, como foi mencionado por um dos palestrantes, o professor Odir, na abertura do evento, o único programa de pós-graduação do Brasil que tem como linha central o tema Medicina Regenerativa é muito importante. Então, poder trazer a universidade para essa vanguarda de pesquisa é uma satisfação imensa para o nosso programa. Certamente, vamos colher bons frutos com nossas pesquisas. Um evento como esse nos dá a possibilidade de interagir com pesquisadores do mundo todo, e o estabelecimento de parcerias que permitam internacionalizar o nosso programa e a nossa instituição, e certamente o benefício desse evento, para a Uniara, é incomensurável”, afirmou.

No dia 22, o encontro começou com a palestra “Fotônica e Biomedicina”, ministrada pelo convidado homenageado do Simpósio, Sidney José Lima Ribeiro. “A ideia da explanação foi mostrar uma parte do que fazemos na Unesp e contar um pouco da história de interação de muitos anos que temos com a Uniara. Temos uma colaboração muito produtiva com os professores da instituição, a qual espero que continue por muito tempo. Estou muito feliz e honrado com a homenagem. Agradeço o convite e desejo um excelente evento, que será de altíssimo nível, com certeza”, relatou.

Logo após, Odir Antonio Dellagostin abordou o cenário das pesquisas científicas no Brasil, de forma mais aprofundada a área de Biotecnologia, a formação dos recursos humanos e os programas de pós-graduação na área, na palestra “Panorama da Pesquisa e da Pós-Graduação em Biotecnologia no País”. “Estamos passando por um momento muito crítico no país, com escassez de recursos financeiros para pesquisas.

Sem esses recursos, não adiantam boas ideias e bons projetos, pois eles não conseguem ser executados. Neste momento, estamos em uma luta para buscar e garantir mais recursos para as pesquisas. Vejo com boas perspectivas o futuro próximo, com um cenário bem mais favorável do que o que vivemos atualmente. Assim, poderemos dar continuidade as boas pesquisas que fazemos no Brasil. Estamos no caminho certo, só precisamos acelerar um pouquinho o passo”, explicou.

Um dos pequenos problemas para essa escassez de recursos, segundo Dellagostin, é “a comunicação científica para a sociedade”. “A sociedade, muitas vezes, não percebe a importância da pesquisa científica, do investimento que se faz nessa área. Acho que nós, pesquisadores, temos que pensar também em formas para levar essa informação à comunidade em geral. Outro ponto é a transformação desse conhecimento em produtos e processos inovadores. Muitas vezes produzimos conhecimentos, mas não somos capazes de levar e transformar esse conhecimento em inovação, para que traga algum retorno real para a sociedade. Esse é um outro ponto que precisamos atuar de forma mais intensa, estimulando nossos alunos, egressos e doutores a empreender, a criar suas empresas e a colocar produtos inovadores no mercado. Com isso, a sociedade, como um todo, vai ganhar”, finalizou.

Nesta quinta-feira, dia 23, o Simpósio contou com duas plenárias. A primeira, que teve como foco temas relacionados a Biopolímeros, contou com a coordenação do professor Hernane da silva Barud. Os temas abordados nas palestras foram: “Matrizes Biopoliméricas Híbridas como Transportadores Moleculares”, ministrada por Guillermo R. Castro; “Novas Ligas de Titânio com Superfície Funcional para Aplicações Ortopédicas”, que teve como palestrante Carlos Roberto Grandini; e “Desenvolvimento de Nanocápsulas Inorgânicas para Aplicações Farmacêuticas e Biomédicas”, que contou com a explanação de Vera R. Leopoldo Constantino.

Na segunda plenária, assuntos ligados à Química Medicinal foram coordenados pelo professor Antonio Carlos Massabni, e teve as seguintes palestras: “Complexos de Metal em Medicina - Status Atual e Tendências”, com Ulrich Abram; “Estudos sobre Novos Metalofármacos Baseados em Compostos Metálicos Essenciais”, ministrada por Ana Maria da Costa Ferreira; e “Potenciais Aplicações Medicinais de Complexos Metálicos de Tiossemicarbazonas”, explanada por Victor Marcelo Deflon.

No período noturno desta quinta, dia 23, houve avaliação dos mais de 50 pôsteres de pesquisadores nacionais e de outros países, como da Argentina, Alemanha e Áustria. Os resumos serão publicados na revista Internacional Journal of Advances in Medical Biotechnology.

Na sexta-feira, dia 24, o módulo de Medicina Regenerativa, coordenado pelo professor Nivaldo Antônio Parizoto, trouxe as seguintes discussões: “Bioimpressão 3D de Alta Resolução por Meio de Processamento Multiphoton”, com Aleksandr Ovsianikov; “Successful Cartilage Bottom-up Tissue Engineering by Human Adipose Stem Cell Spheroids”, com Leandra S. Baptista; “Biomarcadores para a Doença de Alzheimer”, com Márcia Regina Cominetti; “Influência do Treinamento de Força e Raloxifeno sobre a Consolidação Óssea Tibial no Período do Envelhecimento de Ratas Wistar”, com Rita Cássia Menegati Dornelles; e “Instrumentos de Testes Mecânicos para Caracterização em Engenharia de Tecidos e Dispositivos Médicos”, com Frederico Mendes Jr.

Já na sexta a tarde, o módulo de Gestão da Inovação em Biotecnologia, coordenado por Barud, discutiu sobre: “Desenvolvimento de Biofármacos Inovadores”, com Thiago Mares Guia; “Indústria da Biotecnologia: Novas Tecnologias para a Saúde Humana”, com Denise Golgher; e “Empreendedorismo nas Ciências Biológicas”, com Liliane Carvalho.

Últimas notícias:

Busca

Assessoria de imprensa
assimprensa@uniara.com.br
16 3301 7142
Reproduzir o conteúdo do site da Uniara é permitido, contanto que seja citada a fonte. Se você tiver problemas para visualizar ou encontrar informações, entre em contato conosco.
Uniara - Universidade de Araraquara / Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / CEP 14801-340 / 16 3301.7100 (Geral) / 0800 55 65 88 (Vestibular)
N /